segunda-feira, 14 de março de 2011

poetas que não sou

    Poetas me encantam, me seduzem e me comem com os dedos. Pela forma como eles cadenciam as palavras num respirar tão doce e forte e ácido, pela forma de se desvencilhar de seus pecados e amores e jogar tudo na nossa cara sem piedade alguma.
    Eu odeio a piedade dos poetas. Odeio piedade nos poetas.
    O poeta não se protege, ostenta os calos e as feridas das mãos e nos fere com seu vômito. Gosto de ser ferido, exaurido, digerido. Gosto dos poetas que me afrontam, das poesias que se instalam em mim. Gosto dos poetas que são poesias, e das poesias que são vidas.
    Não escrevo poesia porque simplesmente não tenho alma de poeta. Sou algo diferente. A minha alma difere.

7 comentários:

  1. Ual, que lindo.
    Feliz dia da poesia :)

    ResponderExcluir
  2. Isso foi legal.
    Poeta que me dá socos na barriga é Allen Ginsberg.

    ResponderExcluir
  3. A sua alma difere demais, dum tom tão lindo que a gente emociona.

    Beijo, Bru *-*

    ResponderExcluir
  4. Bonito demais isso. Pouca gente cantou a poesia tão bem assim.

    ResponderExcluir
  5. Que lindoo..
    simplesmente perfeito, belas palavras..
    Parabéns.

    estou seguindo!
    beijo
    http://pathyoliver.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Realmente. Parabéns. Coerente e desconcertante!
    Muito bom!
    São apenas adjetivos diante de uma contestação que eu estava procurando!

    ResponderExcluir
  7. Ai que lindo bruninhuh!!!!
    Parabéns! Está cada vez melhor com as palavras!
    Eu que tento ser poeta fiquei bastante lisonjeado com a homenagem a là Augusto dos Anjos em prosa.
    Parabéns mesmo!

    ResponderExcluir

vírgula