segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

eu e você (de carnaval)

De som só o quebrar das ondas, o vento brando. A escuridão. Seus corpos entrelaçados, amados, alcoólicos. O vinho se derramava nas peles, a saliva entre os poros. A areia era cama, o sal, a lua em cheia. Palavras sussurradas, os labirintos dos cabelos, entrelace de dedos, de pernas.
Ama-se tão docemente, as horas que não existem, o cheiro de flor que inda persiste nesses fios de cabelos negros. O tempo que não acorda, passa jangada, passa o bloco com o frevo que parece morrer em folia.
Quando amanhecer, quando o mar parir o sol, entre as sobras e restos, entre qual amor.

5 comentários:

  1. Adorei o texto, fui lendo e viajando em tempos, situações e até usando meus sentimentos de sexo para me referenciar. Apesar de ser simples-simples.

    ResponderExcluir
  2. Intenso e tão palpável que deu vontade de viver essas linhas.

    ResponderExcluir
  3. Bom texto... Curti ;D

    ResponderExcluir

vírgula