sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

ladainha de sol

Há quanto tempo, meu senhor, não chove aqui.
Inda mais tempo que não relampeia.
E pouco tempo que perdi as esperanças
de ver um céu acinzentado.


Mais da metade por aqui esqueceu a reza.
O terço abandonado na cabeceira.
O olhar tão rachado quanto o chão.
O sol quente de sertão.
A vista que anuveia.

2 comentários:

  1. Sensacional a forma como você escreve!
    Pode ser fã na imediatez dessa visita? Tomara.

    ResponderExcluir

vírgula