quarta-feira, 15 de outubro de 2014

noite nº 17

amarre-me as mãos
vende meus olhos
dispa-me a pele
- minha pele crua.

prove o suor e meus medos
os anseios em cada espasmo
e minha saliva ácida
crave unhas e dentes
tudo violentamente
tatue vermelhos e roxos
na minha carne branca
e depois: coma!
devore,
devore,
até perder os dentes
até que não sobre nada
nem a fome
nem a carcaça.
para Miguel

Um comentário:

vírgula